Mauro Strey Kramer Junior (Formado em 2011)

Finalmente, depois de muitos anos fazendo curso de Inglês na Welcome, estou me formando. No começo não achava nescessário aprender outra língua, mas hoje vejo como isso é importante. Agradeço à todos que me apoiaram, aos professores e profissionais da Welcome, e aos meus pais que sempre estiveram comigo quando eu precisei.

Medo é um estado emocional que surge em resposta a consciência perante uma situação de eventual perigo. Nesse artigo vamos apresentar os 4 principais medos que os pais possuem em relação ao futuro financeiro de seus filhos e família.

A ideia de que algo ou alguma coisa possa ameaçar a segurança ou a vida de alguém, faz com que o cérebro ative, involuntariamente, uma série de compostos químicos que provocam reações que caracterizam o medo.

Inconscientemente, as características físicas reproduzidas pelo sentimento de medo preparam o corpo para duas prováveis reações naturais: o confronto ou a fuga.

Trazendo para dentro da família, nós pais temos medos em relação ao futuro de nossos filhos, da mesma forma que nossos pais tinham em relação à nós.

Quando éramos crianças, por diversas vezes criticávamos nossos pais por nos controlarem o tempo todo.  Sempre achávamos que já éramos grandes o suficiente para tomarmos nossas decisões. Dizíamos: “Mãe, deixe disso,  eu sei o que faço e não é perigoso!”; ou: “Pare que este medo todo, vou voltar cedo!”; Os pais falavam: “Cuidado com as más companhias”. “Olhe por onde anda”! Sobre a parte financeira da família sempre ouvíamos quando pedíamos alguma coisa para comprar. “Meu filho, você acha que dinheiro cresce em árvores? Temos que poupar para o futuro!”.

Enfim, por diversas vezes, acreditávamos que nossos pais eram super-protetores conosco.

Os 4 principais medos que os pais possuem em relação ao futuro financeiro de seus filhos e família.

Ter medo é saudável até o ponto que não nos paralise!!!

Hoje, que somos pais e mães, vemos que eles estavam certos. E acredito que temos mais medos hoje em dia do que eles tinham há 30 anos atrás.

Os perigos que rondam o mundo de hoje (violência e criminalidade aumentaram muito) fazem os adultos terem medo pelo futuro de seus filhos. Mas sonhar é preciso, e preparar-se para um futuro melhor é imprescindível. A esperança e a coragem  devem sempre vencer o medo e as demais dificuldades que impedem as realizações.

Relacionado a dinheiro, nossos pais não conversavam praticamente nada sobre este assunto conosco. Naquela época não tínhamos tantas opções de compra. O tênis para ir à escola durava até fazer um furo na sola! E quem nunca usou um prego para remendar as Havaianas? Tomávamos refrigerante somente aos domingos… Brincávamos na rua até a noite chegar e só voltávamos para casa quando nossa mãe chamava. Nossos pais não tinham aquele medo todo da violência que sofremos hoje!

Os pais sonham sempre com o melhor para seus filhos. Desde que estão na barriga da mãe, já começam a fazer planos para o futuro deles. Quando nascem, muitos pais até mesmo já pensam em abrir uma poupança pensando na faculdade.

O poder de compra da população aumentou, e nossos filhos tem acesso a milhões de brinquedos, celulares, tablets, jogos se comparados com o que tínhamos em nossa infância. Antes construíamos nossos brinquedos e era muito divertido. Hoje nossos filhos querem tudo e após conseguirem, brincam um pouco e muitas vezes os brinquedos ficam jogados nos cantos… E já querem outro que passa na tv… Mas temos medo de frustá-los por não darmos o que pedem.

Desta forma, além dos medos da violência, más companhias, doenças, etc…, tentamos com este artigo elencar os maiores medos dos pais em relação ao futuro financeiro dos filhos e família:

1 – Será que vou conseguir pagar a faculdade de meus filhos? 

Um dos maiores gastos que temos com nossos filhos é a escola. Como a educação pública no Brasil é precária, nós tentamos fazer o máximo para que eles estudem em escolas privadas, que teoricamente são melhores. E não são baratas! Este é um dos itens que os pais mais pensam antes de ter outros filhos. Inclusive as mulheres brasileiras hoje tem menos de 2 filhos em média. Na década de 70 a média era de 6 filhos por mulher!!!

Os casais hoje em dia pensam mais nos impactos financeiros do que no passado. Se não já fizeram, façam as contas do custo de um filho em escola privada desde a idade de 5 anos até após a faculdade. São por volta de 25 anos pagando a escola. E isso é proporcional ao número de filhos por casal!

2 – Se meu filho adoecer, conseguirei pagar um tratamento?

Outro receio dos pais é com a saúde dos filhos. E como nosso sistema de saúde brasileiro também é ruim, a maioria de nós já paga ou pensa em pagar um plano de saúde para a família. E todos sabemos que estes planos são caros. E mesmo pagando, o atendimento também deixa a desejar. Quem nunca esperou um mês para conseguir uma consulta para um pediatra “renomado”?

3 – A mãe deve trabalhar ou ficar com os filhos na 1ª infância? Medo de deixar os filhos pequenos com outros ou em creches.

Antigamente era cultura ou “machismo” as mães viverem pelos filhos e cuidando da casa. Raramente nossas avós ou mesmo mães trabalhavam fora de casa.

Nos últimos 50 anos, as mulheres têm deixado de atuar apenas no ambiente privado para também se lançarem no mercado de trabalho. Hoje a realidade é outra! As mulheres representam 44% do mercado formal de trabalho.

E visando o maior conforto e poder aquisitivo da família, a mulher está contribuindo, e muito, para as finanças da casa. Os dois trabalham. E em muitos lares, a mulher é a principal renda da família.

Apesar desta evolução, as mulheres estão tendo uma dúvida que no passado não existia. “O que farei após o período de licença maternidade? Voltar para o trabalho ou me dedicar ao crescimento dos filhos nestes primeiros anos de vida da criança?”

O medo de deixar a criança de alguns meses de vida com alguém em casa ou na creche é de partir o coração. E muitas mães não possuem esta escolha. Para compor a renda da família, voltam para o trabalho.

4 – Medo sobre o futuro profissional do filho (O que ele será quando crescer!?)

Um dos maiores medos enfrentados pelos pais é o de pensar no futuro profissional dos filhos. Este medo é um dos maiores, pois engloba a maioria dos itens citados acima, pois começa com a mãe gerando o filho e depois decidindo se irá trabalhar fora de casa ou não, se conseguirá pagar pela saúde e segurança dos filhos, e receio de não conseguir dar uma educação de qualidade para os filhos durante sua vida, que culminará com a formação de um bom profissional no futuro, que poderá ter um ótimo emprego ou um negócio próprio.

Tenho certeza de que estes medos e dúvidas, além de outros, passam por nossas cabeças assim que nossos filhos nascem.

E isso é normal, pois nossos instintos como pais é o de protegê-los, mas acredito que uma forma de diminuir os medos e incertezas é o de planejar as finanças da família, antes mesmo dos filhos nascerem.

Planejamento das finanças – Família

Uma dica importante que o Graninha Kids pode dar é que os pais devem conhecer e organizar sua finanças, tais como o faturamento líquido (salário já descontado os impostos), gastos fixos mensais (aluguel, prestações, energia, água, condomínio, escola, telefone, supermercado, tv a cabo, internet etc…). Gastos com saúde, medicamentos, transporte, academia também devem ser considerados. Gastos médios mensais com lazer, tais como restaurantes, shows, viagens, presentes são importantes para este planejamento. Doações também são importantes considerar.

Agora faça o balanço de seu faturamento líquido menos suas despesas mensais. O que sobrar, é o valor que poderá trabalhar pensando no filho que virá.

Faça contas, mesmo que sejam estimativas, de quanto este filho planejado causará impacto nas finanças da família (maternidade, plano de saúde, fraldas, remédios, supermercado, creche, etc…). Analise as contas e verifique se este acréscimo caberá em seu bolso. Se sim, ótimo! Vá investindo a cada mês em um fundo de sua escolha para não ter “apertos” quando o bebê chegar. E continue com este exercício de investir para o futuro dele e da família para sempre! Lembre-se que após a creche virá a escola, inglês, balé, futebol, cursinho, faculdade… Isso tudo deverá ser contabilizado!!!

Mas, se a chegada deste novo bebê causar um impacto negativo nas contas da família é hora de refletir sobre o que podem fazer, pois é melhor adiar este sonho de serem pais um pouquinho mais, do que se endividarem e começarem a ter problemas. E dívidas são bolas de neve se não forem trabalhadas efetivamente.

Pontos a se pensar: conseguimos reduzir nosso custo fixo e supérfluos? Devo buscar um novo emprego para ganhar mais? Se a esposa não trabalha, irá começar? Estes são alguns dos pontos para vocês pensarem antes de terem um filho.

Se já são pais, possuem uma certa experiência com isto. Mas este exercício deverá ser feito.

Planejamento das finanças – para seu filho

O planejamento financeiro é super importante para manter as contas da família saudáveis e não causarem problemas no futuro. Dívidas destroem os relacionamentos, causam doenças e tristeza.

É necessario que os pais aprendam sobre organização financeira para ensinarem este hábito saudável para seus filhos desde cedo. Quanto mais a família conversar sobre dinheiro dentro de casa, mais aprenderão e menos problemas financeiros terão.

 

Fonte: graninhakids.com